Caminho da luita

Há aldeias chamadas Gosende nas freguesias de Castro, Ordes e Rodis, sem esquecer umha outra em Encrovas, engolida polo capitalismo extrativista. Ainda, contam-se muitos outros Gosendes –e variantes- por todo o território que abrangia o antigo Reino Suevo da Galiza; somentes no concelho português de Viana do Castelo, existem hoje os lugares de Gosende, Gosendes … Continue lendo Caminho da luita

Anúncios

A gula do vikingo

Duas aldeínhas da comarca de Ordes levam o nome de As Teijoeiras, umha em Ardemil e outra em Bascói. Ainda que para alguns autores se trate de um topónimo referido à árvore de teijo[1], parece confirmado que mais bem alude a um lugar abundante em porcos teijos (meles meles), ou onde estes tinham os seus … Continue lendo A gula do vikingo

Aldeias de preguiceiros

Preparando o seu Diccionario Geográfico Popular Español, o iriense Camilo José Cela remitiu a todos os carteiros galegos um questionário pedindo informaçom sobre os “ditados tópicos” das suas zonas, isto é, os gentilícios, pseudogentilícios (alcumes) e também cantigas e adágios, insistindo Cela em que “no debe omitirse ningún apodo, aunque pudiera parecer insultante”. O resultado … Continue lendo Aldeias de preguiceiros

O silêncio dos primeiros reis

Na paróquia de Buscás (Ordes) encontra-se o lugar de Esmoris, regado na sua parte baixa polo rego de Loureda –já tem ido meu irmao bem vezes aí às truitas-, que conta com um moinho do mesmo nome: moinho de Esmoris. O topónimo agocha um segredo surpreendente. Este, como tantíssimos outros, explica-se pola existência de umha … Continue lendo O silêncio dos primeiros reis

“… ali mesmo ao pé de Lagos”

Abundam por todo o país os topónimos do tipo Lago ou Lagoa, que quase sempre fam referência, antes do que a um lago propriamente dito, a um terreno mui húmido onde apoça a água com facilidade, funcionando como topónimos metafóricos. Tal deve ser o caso dos lugares dos Lagos (Barbeiros, Ordes), da Lagoa (Queijas, Cerzeda) … Continue lendo “… ali mesmo ao pé de Lagos”