O que os paços nom vem

para Marcela Dos bosques de vidoeiros (Betula pubescens Ehrh.) conservados pola ingente memória da toponímia, sempre se suspeitará se teriam atraido a atençom das gentes antigas, antes do que pola sua madeira, por favorecerem a proligeraçom da amanita muscaria à sombra das suas folhas. A micologia assegura que estes cogumelos alucinógenos dos viduais eram consumidos … Continue lendo O que os paços nom vem

Anúncios

Genealogia do Vilar

Mapa com varios Vilar em Frades

O erudito eumês Millán González-Prado estudou com detalhe a evoluçom semántica da palabra galega “vilar”, generadora de muitos topónimos no Reino medieval da Galiza[1]. Na comarca de Ordes achamos lugares chamados Vilar –sem artigo-, nas freguesias de Cerzeda, Mercurim, Messia, Castenda da Torre e Campo, e O Vilar –com o artigo- nas de Ordes, Vila … Continue lendo Genealogia do Vilar

Tabernas que nom faltem!

Taberna da Casa Louro a mediados dos anos 60 em Ordes. Fotografia incluida no livro "Ordes. Crónica fotográfica do século XX", de Manuel Pazos Gómez e Daniel Pereiro López, editado por Espiral Maior no 2002

“Todo homem passou noites com amigos fascinantes em torno a umha boa mesa, quando as personalidades se abrem como flores tropicais. Cada um era mais do que nunca um próprio, cada um era umha deliciosa caricatura de si próprio. Quem tenha conhecido tais noites entenderá Pickwick; os demais nom se divertirám com ele nem, segundo … Continue lendo Tabernas que nom faltem!

Ouveios suevos

Aldeia de Recegulfe, em Queijas

Em praticamente todos os nomes de lugar que rematam en –ulfe ou –ufe, ressoam os últimos ouveios dos suevos, já que som topónimos que se devem à antiga palavra germánica wulf ‘lobo’, e se encontram concentrados na Península Ibérica quase exclusivamente no território do antigo Reino da Galiza. O étimo resulta hoje mais do que … Continue lendo Ouveios suevos