As aldeias das leitoras (IX) : Reboredo

mapa con varios reboredo de ordes

José Antonio Couselo García, vizinho de Reboredo (Santaia de Gorgulhos), pedia que falássemos deste topónimo que também nomeia outros lugares nas freguesias de Galegos, Ordes, Vitre e Xanceda. O seu, o de Gorgulhos, é destacável polo folklore associado à mámoa de Reboredo, cuja origem foi atribuída aos árabes e mesmo aos índios!1

Reboredo de Santaia de Gorgulhos
Reboredo de Santaia de Gorgulhos

Em todos estes Reboredo ecoa um antigo bosque abundante em carvalhos, árvore chamada polos romanos robur e que na Gallaecia se continuou a nomear ao jeito celta: carvalho, face à forma latinizada escolhida no castelhano, roble. Dito de outra maneira, Reboredo é o sinónimo mais latinizado de Carvalhedo, abundancial também presente na toponímia ordense, em sendos lugares de Vila Maior e Buscás2.

Rebordelos, em Parada, pode ser um diminutivo de Reboredo, se é que nom se refere a uns rebordos orográficos3. Também na Reboira de Ardemil se acha representado o Quercus robur, sendo bem conhecida entre os celtófilos a possibilidade de a mui cristianizada Ribeira Sacra ter sido, em origem, umha pagá reboira sacrata ou carvalheira sagrada. Como apelido, Reboiras ficará por sempre associado ao nome de Moncho, o militante da UPG ametralhado pola polícia em Ferrol.

20180726_095405

Reboredo foi um dos panxoleiros de Gorgulhos que junto com Manuel Fraga Seoane ‘Torres’ recuperou as panxolinhas de Natal e cantos de Reis4. Talvez o próprio José Antonio nos pode dizer se este panxoleiro é vizinho de Reboredo ou se só levava a aldeia no apelido. No Reboredo de Ordes um dos cenários principais do romance de M.ª Carme Caramés Gorgal, A Madriña5Couto de Reboredo foi um destacado gaiteiro, e Valentín de Reboredo um artista na elaboraçom de cestos e injertos de frutais, mui querido em Loureda. Quanto ao Carvalhedo de Buscás, nom esquecemos os músicos Pedreira de Carvalhedo (gaiteiro), Jesús da Cancelada (clarinetista) e Vicente de Cancelada (bombo)6.

Reboredo de Ordes
Reboredo de Ordes
Reboredo de Ordes
Reboredo de Ordes

1María del Pilar Llinares, Mouros, ánimas, demonios. El imaginario popular gallego, Madird, Akal, 1990, p. 71 e p. 77 nº1. Ver também: César Llana Rodríguez et. al., “Catalogación de castros no concello de Tordoia (A Coruña). Avance da carta arqueolóxica de Tordoia”, Brigantium, 5, 1984-1985, pp. 7-40.

2Cabeza Quiles, 1992, p. 498; 2000, p. 215.

3Cabeza Quiles, 2000, p. 535.

4Manuel Viqueira Noya, Vilaverde, 2017, p. 21 e Manuel Pazos Gómez, Manuel Fraga Seoane (tríptico), Ordes, A.C. Obradoiro da História, 2018.

5M.ª Carme Caramés Gorgal, A Madriña, Edicións Fervenza, 2018.

6Manuel Viqueira Noya, op. cit., p. 49.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s