Guntino contra a destruiçom

Aldeia de Guntim em Mercurim

para Lidia Mui semelhante ao Gudim da semana passada é o topónimo Guntim, que dá nome a sendas aldeias das freguesias de Mercurim e Cerzeda, dando nome também em Aiaço ao dólmem conhecido como Peneda de Guntim, destruido polas forças do “progresso”, tal e como denunciara o Obradoiro da História1. Existem, aliás, muitos outros Guntim … Continue lendo Guntino contra a destruiçom

Anúncios

Onde o mundo se chama Vila Gudim

Casa em Vila Gudim de Lesta

para Ramón Muñiz Dizia Eduardo Iglesias Regueiro que tinha umha grande curiosidade por conhecer a origem de Vila Gudim, aldeia de Lesta que, quando Eugénio Carré Aldao escrevera o seu contributo para a Geografía General del Reino de Galicia, era a mais grande da paróquia, com 84 habitantes1. Também devia ter essa curiosidade o carteiro … Continue lendo Onde o mundo se chama Vila Gudim

Apelidos LINHARES e LINHEIRA(s): Os tecidos da comunidade

As abundantes terras para o cultivo do linho (Linum usitatissimum) deixárom umha grande impronta toponímica na comarca de Ordes e, por conseguinte, nos seus apelidos, sendo Linhares o oitavo mais frequente do concelho de Cerzeda. Devem ser essas Linhares descendentes das vizinhas da aldeia de Gesteda chamada igual, e que tem a sua irmá toponímica … Continue lendo Apelidos LINHARES e LINHEIRA(s): Os tecidos da comunidade

Sempre em Loureda

Os meus bisavôs, diante da casa de Loureda, co meu avô, o Vinculeiro, na esquerda, e tios e primos

ao meu avô, o Vinculeiro de Loureda Sempre se insiste no caráter atlántico do ecossistema galego, quando tradicionalmente os geógrafos, do anarquista Elisée Reclus ao próprio Otero Pedrayo, venhem insistindo em que o que carateriza à Galiza é, mais bem, a sua situaçom de ponte entre o mundo atlántico e o mediterráneo, que se aprecia … Continue lendo Sempre em Loureda

O que os paços nom vem

para Marcela Dos bosques de vidoeiros (Betula pubescens Ehrh.) conservados pola ingente memória da toponímia, sempre se suspeitará se teriam atraido a atençom das gentes antigas, antes do que pola sua madeira, por favorecerem a proligeraçom da amanita muscaria à sombra das suas folhas. A micologia assegura que estes cogumelos alucinógenos dos viduais eram consumidos … Continue lendo O que os paços nom vem

O apelido BARBEITO

"Os de Sam Cosmade" tocando nas Encrovas, diante do hórreo da casa do funcionista Manuel Barbeito Barbeito (irmao de José Barbeito Barbeito da "Adelante"), a Casa do Viúvo de Surigha, destruída por FENOSA. 10 de julho de 1955, Festa do Carme

Num excesso de otimismo afirmava Valeriano Villanueva, autor do apartado de “Agricultura” da Geografía General del Reino de Galicia, que: “El maíz y la patata hicieron desaparecer el barbecho en Galicia mucho antes que dejase de usarse esta forma de cultivos en los países más adelantados de Europa, y hoy en toda la región gallega … Continue lendo O apelido BARBEITO

As aldeias das leitoras (VII): Friám

Ao começar a investigar a toponímia da comarca o companheiro Manolo Paços perguntou polo significado do topónimo Freám ou Friám, na sua paróquia, Marçoa, que nom aparece no Nomenclátor, mas si nos mapas do IGN[1], assim como do microtopónimo associado Fraga de Freám. Ainda, há nas Encrovas um Monte de Freám, situado ao norte de … Continue lendo As aldeias das leitoras (VII): Friám