Menino do bairro negro

Lendo a correspondência carcerária de Nelson Mandela, umha palabra chama a atençom: piccanin. Aparece numha carta que escreveu Madiba a Adelaide Tambo no 31 de janeiro de 1970, e na qual o líder anti-apartheid se lembrava carinhosamente das suas companheiras de militância. A umha delas, Ruta, chama-lhe “piccanin”. Mandela escrevia num inglês salpicado de termos … Continue lendo Menino do bairro negro

O mistério maçónico da igreja de Ordes

A palabra galega “igreja” vem do latim vulgar eclesiam, transformaçom do latim clássico ecclesiam, e que por sua vez procede do termo grego ekklesía, com o significado original de ‘assembleia’, em referência aos tempos primitivos em que o cristianismo era um movimento anti-imperialista, igualitarista e amancipatório. Daí, de dar nome à assembleia (porque isso eram … Continue lendo O mistério maçónico da igreja de Ordes

A coruja de Minerva

Para Jéssica e Rebeca Á aldeia de Corujo dava-lhe muita importância o irmandinho Eugénio Carré Aldao, quem recolhe na Geografía General del Reino de Galicia que, naquela altura (década de 1920), esta era a de maior entidade da freguesia de Barbeiros, com 46 habitantes1. Aliás, o Corujo estava situado num importante caminho vizinhal da época, … Continue lendo A coruja de Minerva

As armas das débeis

Além da aldeia das Raposeiras em Ardemil, há muitos outros zootopónimos referidos à vulpes vulpes por toda a geografia ordense, dando lugar a microtopónimos como: um outro as Raposeiras, no linde entre Pereira e Marçoa, ao Sul do Coto do Lobo; as Raposas em Parada; Fonte Raposeira em Campo; os Montes da Zorra em Messia, … Continue lendo As armas das débeis

Entre a trincheira e a carvalheira

para a tia Maria O que na Idade Média conformava um só casal ou lugar, hoje aparece dividido em duas partes: Guindibom, dentro da freguesia de Montaos; e Guindibom de Riba, pertencente à de Pereira. O topónimo é recolhido no Nomenclator como “Guindibó”, ainda que na sinalética e outros textos oficiais também tem sido escrito … Continue lendo Entre a trincheira e a carvalheira

Grudar, ou a recordaçom da liberdade

Perante as greves operárias de junho de 1936, Simone Weil reflectia: “Ninguém sabe como irám as cousas. Som de temer várias catástrofes […]. Mas nengum temor apaga a alegria de ver erguer a cabeça àqueles que sempre, por definiçom, a baixam […] Suceda o que suceder, sempre terám tido isso. Afinal, pola primeira vez e … Continue lendo Grudar, ou a recordaçom da liberdade

Esplendores antigos

O pequeno lugar de Folgoso, na freguesia de Pereira, deu nome a toda umha extensa jurisdiçom durante o Antigo Regime, que abrangia as freguesias de Barbeiros, Beám, Cardama, Deixebre, Frades, Galegos, Gândara, Lesta, Marçoa, Messos, Moar, Montaos, Ordes, Oroso, Papucim, Parada, Pereira, Senra, Vila Maior e Vila Romariz, todas elas na antiga província de Santiago, … Continue lendo Esplendores antigos