Sempre em Loureda

Os meus bisavôs, diante da casa de Loureda, co meu avô, o Vinculeiro, na esquerda, e tios e primos

ao meu avô, o Vinculeiro de Loureda Sempre se insiste no caráter atlántico do ecossistema galego, quando tradicionalmente os geógrafos, do anarquista Elisée Reclus ao próprio Otero Pedrayo, venhem insistindo em que o que carateriza à Galiza é, mais bem, a sua situaçom de ponte entre o mundo atlántico e o mediterráneo, que se aprecia … Continue lendo Sempre em Loureda

Anúncios

Os Templários de Leira

para Noelia Gestal A Bailia –que no Nomenclátor vem sem artigo, ainda que todo o mundo o usa, dizendo-se também muito a Beilia- é umha aldeia de Leira que, polo seu afastamento da igreja paroquial, sempre tivo muito vida própria dentro da freguesia, contando com escola unitária durante muitos anos e na qual mesmo se … Continue lendo Os Templários de Leira

A dignidade do País do Navo

Há em Albijói um lugar chamado Novás e ainda, na microtoponímia, umhas terras de nome o Noval entre as paróquias de Leira e Buscás. Nom está de todo claro o seu significado, pois poderiam-se referir a duas cousas diferentes. A primeira seria que o tal noval venha do latim novale, derivado de novu ‘novo’, no … Continue lendo A dignidade do País do Navo

Pam, cravos e desordens

para Patricia do Zapateiro da Portela A Portela de Leira é a aldeia vizinha de Loureda, famosa sobretudo polo pam, empadas, roscas e doces da Panadería Fontán, a antiga Casa do Zapateiro, que reparte por muitas paróquias da comarca. O topónimo, bastante frequente na área lingüística galego-portuguesa (os dous núcleos mais grandes com este nome … Continue lendo Pam, cravos e desordens